Agende por Whatsapp: +11 96917-0390

 

O diabetes tipo I é uma doença crônica que acontece, com maior frequência, na infância ou na adolescência. No diabetes tipo I ocorre uma falha no pâncreas e ele para sua produção de insulina. A insulina, por sua vez, é o hormônio responsável por transportar a glicose do sangue para dentro das células. Sem insulina, esse transporte não ocorre corretamente e, portanto, o açúcar não entra nas células, ficando no sangue e fazendo com que a glicemia aumente.

Ainda não conhecemos todos os fatores envolvidos no desenvolvimento do diabetes tipo I, mas sabemos que é uma condição autoimune, na qual o sistema imunológico reconhece as células beta do pâncreas (produtoras de insulina) como “estranhas” e age contra elas, como uma forma de defesa.

Um bom controle do diabetes é possível com doses corretas de insulina, atividade física regular e alimentação saudável, que, por sua vez, será a pauta de hoje!

Não é segredo para ninguém que alimentação saudável deve ser seguida por todos, diabéticos ou não. Variedade alimentar e um prato colorido são essenciais para que se atinja um bom controle glicêmico e para contribuir com a longevidade.

Não são apenas os diabéticos que devem se preocupar com altos níveis de glicose no sangue, mas também pessoas que não apresentam a doença. Estudos recentes apontam que uma grande parcela da população adulta apresenta altos níveis de açúcar no sangue (pré diabetes), situação que já acarreta algumas complicações.

Posso dizer que, como diabética e nutricionista, a alimentação saudável tornou-se algo muito positivo na minha vida. Em uma tentativa de contribuir com a saúde de outras pessoas, deixo aqui algumas dicas de como viver bem com Diabetes:

 

  1. Alimentação saudável é o segredo: comer bem que mal tem, não é mesmo? Ter uma alimentação rica em variedades de alimentos trará para seu dia a dia o consumo ideal de vitaminas e minerais. Devemos ter um cardápio variado e colorido, consumindo legumes, verduras e frutas. Atenção para as frutas: algumas frutas possuem um índice glicêmico maior que outras, podendo, portanto, causar aumento maior da glicemia, Então, em relação às frutas, devemos prestar atenção no índice glicêmico e na carga glicêmica*.

– Índice glicêmico: indica a capacidade de elevação da glicemia após a absorção dos carboidratos pelo organismo.

– Carga glicêmica: surgiu para diferenciar mais o impacto dos alimentos na glicemia e quer dizer o quanto aquele alimento pode aumentar em nossa glicemia. Ela é calculada multiplicando o índice glicêmico pela quantidade de carboidratos presentes naquela porção de alimento.

Para entender melhor, um exemplo: a melancia apresenta um índice glicêmico alto; porém, em sua composição, não apresenta tantos carboidratos. Portanto, quando consumida, sua carga glicêmica não impacta tanto na glicemia, fazendo com que sua repercussão metabólica não seja ruim.

 

  1. Consumo de fibras: Alimentos ricos em fibras são considerados prebióticos, e, portanto, muito favoráveis para a flora intestinal. Consumir fibras é fundamental para o bom controle glicêmico e para a saúde da microbiota intestinal. Nós diabéticos devemos cuidar da saúde intestinal também! Como usuários de insulina e consumidores de alimentos zero açúcar, adoçantes artificiais entre outros, podemos ter uma mudança no perfil de bactérias que residem em nosso intestino. E essas bactérias estão ligadas à nossa saúde e bem estar. O papel das fibras no intestino é alimentar essas bactérias e suas famílias, fazendo com que se multipliquem. Estudos baseados no papel das fibras e microbiota intestinal mostram que alimentos ricos em fibras podem impulsionar bactérias do intestino para controlar o Diabetes, pois estimulam o crescimento de algumas bactérias que possuem função terapêutica.

Além do mais, as fibras funcionam como ótimos reguladores glicêmicos, ajustando o índice glicêmico e a carga glicêmica dos alimentos.

Você encontra fibras em alimentos integrais, vegetais folhosos e in natura, frutas, sementes. Portanto, tenha um prato super colorido de folhas e vegetais; quanto mais folhosos, melhor!

 

  1. Pratique atividade física regularmente: Atividade física regular é fundamental no controle do diabetes e na melhora da saúde em geral. Encontre uma atividade física de que você goste e faça com prazer.

Lembre-se: a atividade física não deve ser feita em jejum e nem com glicemias muito altas. Faça sempre um lanche antes de praticá-las.

 

  1. Durma bem: O sono é fundamental para o bom funcionamento do organismo e para o descanso físico. Um estudo realizado pela universidade de Chicago mostra que adultos privados de sono apresentaram cerca de 23% de redução de sensibilidade à insulina. Quando somos privados de sono, temos mais fome, aumentando, principalmente, o desejo pelo consumo de doces e alimentos ricos em gorduras. Isso pode afetar seu bom controle glicêmico, portanto durma bem! Oito horas de sono costuma ser o suficiente para um individuo adulto.

 

  1. Evite alimentos processados e industrializados: O consumo frequente de alimentos industrializados e processados não é nada saudável. Esses alimentos possuem em sua composição uma série de aditivos químicos e outras substâncias, como o açúcar ou xarope de milho (rico em frutose) que pode desestabilizar o bom controle glicêmico e aumentar as chances de uma resistência à insulina. Portanto, leve ao pé da letra a seguinte frase: “DESCASQUE MAIS E DESEMBRULHE MENOS”.

 

  1. Mastigue muito bem: Além de melhorar a digestão, a boa mastigação ajuda no controle glicêmico pós prandial (pós alimentar). O ideal é mastigar de 20 a 40 vezes.

 

  1. Consuma frutas ao invés de sucos de frutas: Você pode consumir FRUTAS SIM! Diabéticos podem e devem consumir frutas, dependendo de suas escolhas. Antigamente era comum nós evitarmos o consumo de frutas devido à frutose presente nelas que podem aumentar os níveis de glicemia. Mas quando escolhemos consumir a fruta in natura ao invés do suco dela, estamos consumindo também suas fibras, que ajudam no controle da glicemia. As fibras formam um gel no nosso organismo, o que torna a absorção do açúcar mais lenta.

Quando transformamos uma fruta em suco, separamos as suas fibras e seu açúcar, a frutose. O suco fica, portanto, mais concentrado em frutose, o que favorece o aumento muito mais acentuado da glicemia.

Portanto, a mudança de hábitos de vida e a alimentação correta podem contribuir muito para o controle do diabetes. Independe do tratamento, o diabetes nos traz uma reflexão positiva sobre mudanças de hábitos e alimentação saudável. Basta você refletir e querer caminhar neste sentido!

 Busque sempre a orientação de um profissional da saúde.

 Referência: – Sono e diabetes – “Lack of deep sleep may increase risk of type 2 diabetes

 Gabriela Castro – Nutricionista – CRN3 51765P

 (Este texto foi escrito pela Nutricionista Gabriela Castro, colaboradora do Blog, cujas informações estão abaixo). 

 

 

 

Currículo da Gabriela Castro – Nutricionista

 

 

Leia também:

Jejum intermitente

Jejum intermitente

Jejum é o período em que não é ingerido nenhum tipo de alimento com base calórica; e intermitente significa que o jejum não ocorre de maneira contínua, mas sim por um tempo determinado. Então, a prática do jejum intermitente consiste, basicamente, em alternar períodos...

Diabetes e infecções

Diabetes e infecções

  Portadores de diabetes apresentam uma maior chance de ter infecções? Sim. Pessoas portadoras de diabetes apresentam maior risco de alguns tipos de infecções. Entre os fatores favorecedores, podem estar os fatores abaixo: Glicemia elevada (aumento dos níveis de...

Retinopatia diabética

Retinopatia diabética

  O que é a retinopatia diabética? É um problema que compromete a retina (parte do globo ocular, onde se forma a visão) e que pode, se não for tratado ou prevenido, levar a perda visual progressiva e, até, à cegueira total. Essa retinopatia acomete pessoas com...

Nefropatia diabética

Nefropatia diabética

O diabetes é uma doença que merece grande atenção e cuidados pessoais por parte dos pacientes devido, em grande parte, ao risco de complicações crônicas, entre as quais podemos citar: infarto do miocárdio, derrame (AVC), perda da visão, neuropatia (comprometimento dos...